SITUAÇÃO DAS PREFEITURAS SE AGRAVA E PREOCUPA RENAN

O impacto da crise econômica sobre as receitas públicas está sendo muito mais forte do que as previsões iniciais e está afetando seriamente o equilíbrio fiscal e financeiro das prefeituras alagoanas. A avaliação foi feita num encontro do senador Renan Calheiros com o prefeito de Arapiraca, Luciano Barbosa, presidente da AMA, em Brasília.

Para Renan, é preciso compensar as prefeituras com as dificuldades de arrecadação que o governo federal está tendo. “Afinal, boa parte dos recursos é repassada para os municípios pela União”, afirmou o Líder do PMDB.

De acordo com relatos dos prefeitos, a crise fez cair a arrecadação federal e dos municípios e os repasses do Fundo de Participação dos Municípios às prefeituras.

Luciano Barbosa disse que, todos os anos, os meses de menor arrecadação do FPM são junho, julho e agosto e que essa crise no início do ano só deve aumentar o estado de alerta dos prefeitos, para que nesses meses em que arrecadação for menor, não tenham mais problemas financeiros.

Uma das dificuldades é a renegociação das dívidas das prefeituras com o INSS, um drama que atinge todos os municípios brasileiros e que está sendo negociado com o Planalto, com a ajuda do Líder do PMDB.

Os prefeitos alegam que tiveram um aumento de despesas com o reajuste do salário mínimo e com o novo piso salarial dos professores, além de outras obrigações. Além disso, a execução orçamentária tem sido muito lenta por parte do governo federal. Há restos a pagar de anos anteriores, segundo alegam os prefeitos.

Órgãos como a FUNASA e a CEF estão sem estrutura para atender as prefeituras. Somente na FUNASA, há 600 convênios a serem executados que estão paralisados, por falta de assessoria técnica para orientar as prefeituras. Os prefeitos apontam as excessivas exigências burocráticas como um dos principais entraves para a superação das dificuldades. Além do contingenciamento orçamentário, os municípios realizam os convênios, mas o dinheiro não é liberado.

O CAUC é outro problema porque as certidões exigidas tiram dos municípios a possibilidade de participar de convênios ou receber recursos destes contratos assinados. Dos 102 municípios alagoanos, 79 estão no CAUC. Além disso, 39 estão inadimplentes no SIAFI.

CMN – De acordo com previsões da Confederação Nacional dos Municípios, a arrecadação nominal da União poderá perder mais de R$ 60 bilhões se a economia não crescer este ano. No âmbito das receitas municipais esta diferença pode chegar a R$ 4,5 bilhões no Fundo de Participação dos Municípios (FPM). Os cofres federais estão sendo os mais atingidos, mas a queda da lucratividade das empresas também afetará uma das principais fontes de receita dos Municípios, que é o FPM, devido à sua vinculação com o Imposto de Renda. Nos últimos três anos, a receita com FPM cresceu 58%, empurrada pelo crescimento de 60% do Imposto de Renda. Este por sua vez foi puxado pelo IR incidente sobre os lucros das empresas e ganhos de capital, que cresceu 63% no mesmo período. Assim, como os lucros cresceram acima das demais formas de renda nos últimos anos, agora são os que devem cair mais, afetando as receitas de União, Estados e Municípios.

Com o cenário da crise econômica mundial, a situação financeira dos municípios ainda é bastante instável. As receitas municipais sofrerão impactos neste crescimento e nas contas das prefeituras, principalmente neste período em que os prefeitos eleitos acabaram de assumir as novas administrações.

Compartilhe este artigo

Artigos relacionados

Construção do Hospital do Futuro em Pilar

Semana movimentada em Brasília, com a instalação da CPI...

Centro de Convenções de Arapiraca

Fui a Arapiraca assinar a ordem de serviço para...

Assine o Boletim Eletrônico

Assinando, você receberá em seu e-mail notícias e artigos atualizados do site.

A página eletrônica do Senador Renan Calheiros é um espaço para divulgar ideias, posicionamentos e opiniões do parlamentar alagoano. O endereço eletrônico www.renancalheiros.com.br é atualizado pela assessoria de imprensa e agrega artigos, discursos, notícias, projetos, além de dados biográficos da carreira política do senador.

Contato

Senador Renan Calheiros
E-mail: [email protected]
Senado Federal - Praça dos Três Poderes - Anexo I Ed. Principal 15º andar
BrasíliaDF - CEP 70.165-920
(61) 3303-2261 / (61) 3303-2263