SESSÃO TEMÁTICA SOBRE ABUSO DE AUTORIDADE

O SR. PRESIDENTE (Renan Calheiros. PMDB – AL) – Declaro aberta a sessão.
Sob a proteção de Deus, iniciamos nossos trabalhos.
A presente sessão, como todos sabem, destina-se a debate temático sobre o Projeto de Lei do Senado nº 280, de 2016, que define os crimes de abuso de autoridade e dá outras providências.
Tenho a satisfação de convidar, em primeiríssimo lugar, para compor a Mesa, o Senador Roberto Requião, que é o Relator da matéria.
Peço às Comissões Permanentes da Casa para interromperem os seus trabalhos. Nós estamos começando uma importante sessão temática, a exemplo do que fizemos ontem, Senador Jader Barbalho, Senador Romero, Senador Paulo Rocha, Senadora Fátima Bezerra.
Convidamos para compor a Mesa a Srª Luiza Cristina Fonseca Frischeisen, que é Subprocuradora-Geral da República.
Convidamos também para compor a Mesa o Sr. Carlos Eduardo Barbosa Paes, que é Defensor Público-Geral Federal.
Convidamos também para compor a Mesa o Sr. José Alberto Ribeiro Simonetti Cabral, representante da Ordem dos Advogados do Brasil.
Eu queria comunicar a todos, conforme ficou estabelecido, que teremos, hoje, esta sessão temática e teremos, no dia 1º, uma nova sessão temática, que contará com as presenças já confirmadas do Juiz Sérgio Moro e do Ministro Gilmar Mendes, que não chegou a tempo de Montevidéu. O Ministro Gilmar está viajando, mas assegurou sua presença nesta sessão temática do dia 1º, às 11h, no mesmo horário.
Senhoras e senhores convidados, nos dias 3, 5 e 7 de março de 1997, um cinegrafista amador filmou policiais militares extorquindo dinheiro, humilhando, espancando e executando moradores indefesos da Favela Naval, em Diadema, São Paulo.

As imagens foram divulgadas, tiveram grande repercussão negativa internacional, e o caso tornou-se símbolo do abuso de autoridade.
Em junho, de 2010, policiais militares do Estado do Pará obrigaram três jovens humildes, que abordaram na rua, a dançar uma versão do Rebolation enquanto cantavam o “baculation”.
Em dezembro de 2014, um magistrado chegou atrasado ao aeroporto e não embarcou. Como não conseguiu interromper a decolagem, imediatamente mandou prender dois simples funcionários da empresa aérea.
Há casos, Srs. Senadores, Srªs Senadoras, mais prosaicos, como o de um professor universitário de São Paulo que ameaçou de prisão uma aluna durante um bate-boca, ou o de um policial rodoviário federal do Rio Grande do Sul que sofreu perseguição implacável de seus chefes, e também o de um policial federal que prendeu e algemou uma faxineira para forçá-la a confessar o furto de uma filmadora.
Minhas senhoras e meus senhores, antes de qualquer coisa, eu expresso o reconhecimento do Senado Federal aos ilustres convidados, e o reconhecimento, como diziam os antigos, transmite a sinceridade da gratidão.
Eu estou, repito – e darei já a palavra ao Senador Aloysio –, agradecido e confortável com as presenças brilhantes que, em uma demonstração, sem dúvida, de espírito público, aceitaram comparecer a esta sessão temática para colaborar com o aperfeiçoamento do Brasil através da Lei de Abuso de Autoridade, encontrando saídas e modelos para enfrentar esse tipo de ataque à democracia.
As sessões temáticas, permitam-me repetir, e as audiências públicas do Senado Federal debatem questões importantes para o País com a presença de personalidades qualificadas realmente preocupadas e envolvidas na busca de melhores dias para a sociedade.
Eu vou interromper essa colocação preliminar inicial para ouvirmos, pela ordem, o Senador Aloysio, e em seguida nós vamos concluí-la para colocar esse debate, que, eu tenho absoluta convicção, servirá muito ao Parlamento e ao Brasil.

O SR. ALOYSIO NUNES FERREIRA (Bloco Social Democrata/PSDB – SP. Pela ordem. Sem revisão do orador.) – Muito obrigado, Sr. Presidente, senhores convidados, aos quais eu também expresso a minha gratidão pela presença hoje.

Esta sessão foi provocada pelo Presidente Renan Calheiros exatamente com o objetivo do esclarecimento a respeito de uma matéria que é hoje objeto de muita polêmica pelo Brasil afora, especialmente nas redes sociais. Uma polêmica em que, muitas vezes, se esgrime um tipo de argumentum ad hominem, quer dizer um argumento dirigido à pessoa, ao autor, seja aos autores do texto a que está submetida a relatoria do Senador Requião, seja aos Senadores que propuseram que esta matéria fosse votada.
Desse modo, nesta sessão, Sr. Presidente, eu penso que é importante que nós possamos, sobretudo, esclarecer. E, no meu entender, esclarecer significa dizer quais são, precisamente, no projeto de lei que vamos examinar, os artigos que porventura possam, de alguma maneira, obstaculizar, atrapalhar, impedir, sabotar, como já se disse, as atividades do Ministério Público, da Polícia ou da Justiça nas investigações de natureza penal. É preciso que se diga exatamente: “O artigo tal, inciso tal, é inconveniente por isso, isso e por aquilo”, com o argumento preciso. Porque as considerações genéricas já estão sendo feitas hoje em vários fóruns. Além disso, que aqueles que defendem a atualização da lei expliquem a quem nos ouve e a quem nos vê quais são os dispositivos da lei de 1965, lei que hoje está em vigor, que precisam ser atualizados; por que essa lei, que vem de um outro tempo, do tempo ainda do autoritarismo, não pode conviver in totum com o clima de liberdades democráticas que nós estamos vivendo hoje, em que todo abuso de autoridade, qualquer que seja ele, é reprovável, é condenável.
Desse modo, essa é a minha sugestão, Sr. Presidente. Longe de mim querer dar orientações aos ilustres palestrantes, mas, como Senador que vai votar sobre essa matéria, eu gostaria muito que houvesse uma precisão, eu diria uma precisão cirúrgica, nas críticas e nos comentários a respeito da lei em vigor e do projeto de lei que está tramitando.
Obrigado.
O SR. JADER BARBALHO (PMDB – PA) – Sr. Presidente…
O SR. PRESIDENTE (Renan Calheiros. PMDB – AL) – Nós agradecemos muito ao Senador Aloysio Nunes Ferreira pela sugestão de encaminhamento deste debate, que mais uma vez considero que será muito importante.
O SR. JADER BARBALHO (PMDB – PA. Sem revisão do orador.) – Sr. Presidente, se V. Exª me permite, também cumprimentando todos os ilustres convidados e debatedores que vêm esta manhã ao Senado e o nosso Relator Roberto Requião, eu gostaria de me aliar – permita-me esta intervenção inicial –, porque busco, como o Senador Aloysio, também respostas.
Porque eu venho de longe – eu me recordo bem, ouvindo o Ato Institucional nº 5, em 13 de dezembro de 1968 – e também quero saber, porque podem não ser procedentes notícias aqui e acolá. E eu fico a me perguntar sobre a possibilidade, em pleno regime democrático, de aqueles que querem aplicar a lei, que querem combater o crime, terem o direito de praticar o crime de abuso de autoridade. É uma indagação que me persegue.
Quer dizer, para combater o crime…

O SR. JADER BARBALHO (PMDB – PA) – … se tem direito de cometer o crime, e quem se levantar contra isso está contra uma operação específica? Ou será que nós vamos, no Direito brasileiro, criar, para cada operação da Polícia Federal, do Ministério Público Federal ou de qualquer autoridade do Judiciário, uma legislação específica?
E, como o Congresso, em grande parte, neste momento, está sendo colocado sob suspeição de que nós queremos inviabilizar a tal Operação Lava Jato, eu também, como o Senador Aloysio, não quero sair desta manhã sem ter essa resposta. Onde atrapalha? Ou se quer o direito de combater o crime cometendo o crime? Isso, os militares tinham lá em 1968. Tiveram o direito de fazer isso. Mas em plena democracia, e transferindo ao Congresso Nacional a responsabilidade de uma possível obstrução a isso, Sr. Presidente,…

O SR. JADER BARBALHO (PMDB – PA) – Então me releve, Sr. Presidente. Eu queria… Eu fiquei bastante…

O SR. JADER BARBALHO (PMDB – PA) – … entusiasmado com a observação do Senador Aloysio, porque é essa a resposta que nós queremos arrancar, se possível hoje, da parte dos que vêm debater aqui.
Meus cumprimentos, Sr. Presidente.
O SR. PRESIDENTE (Renan Calheiros. PMDB – AL) – Permitam-me chamar o feito à ordem, sem exorbitar da autoridade. Nas sessões temáticas, nós vamos dar a palavra primeiro aos convidados, em seguida nós inscreveremos os Senadores e vamos, de acordo com sugestões do Senador Aloysio e do Senador Jader Barbalho, objetivar ao máximo, para que nós possamos ter aqui, nesta sessão temática, o melhor rendimento dela.
Norberto Bobbio – e já concluo esta minha introdução, que meramente servirá para estimular este debate – Norberto Bobbio, o notável pensador italiano, afirmava que “a capacidade de dialogar e de trocar argumentos está na base de qualquer pacífica convivência democrática” e que “o objetivo do diálogo é chegar a um acordo ou, pelo menos, clarear as ideias de ambas as partes”.
Nelson Rodrigues certa vez observou que o mais importante no diálogo não é a palavra, mas a pausa, acentuando que “é na pausa que duas pessoas se entendem e entram em comunhão”.
Refletir é preciso, e esta sessão temática, mais uma vez, é para que nós possamos democraticamente trocar ideias, pontos de vista, nesta primeira e na segunda sessão, para que nós possamos, no dia 6, deliberar sobre essa importantíssima e inadiável matéria.
O amadurecimento proveniente dos embates parlamentares mostra que o convívio pacífico entre os contrários não apenas é possível como as soluções negociadas são as melhores e mais duradouras.
O grande brasileiro que foi Aureliano Cândido Tavares Bastos, alagoano, meu conterrâneo, afirmava que a boa política de conciliação ocorre no terreno dos princípios e supera o individual.

Fazer leis, Srs. Senadores, Srªs Senadoras, senhores convidados, não é tarefa fácil. Fazer lei não é tarefa fácil. Sendo a expressão da vontade geral, a lei nasce do confronto de ideias e vontades para se tornar um instrumento de pacificação social.
Pontes de Miranda propugnava que uma boa forma legal diz o que ela quer, nem mais nem menos, acrescentando com sabedoria que nem tudo se há de dizer em dez ou vinte palavras. A vida, como todos sabem – dizia Pontes de Miranda –, é multiforme; e a cada uma das mil direções que ela comporta correspondem novas arestas a que será preciso ajustar a lei.
O objetivo desta sessão temática é exatamente este: debater o Brasil na perspectiva do abuso de autoridade, hoje disciplinado em nosso País pela Lei 4.898, de 1965, que pede, como todos sabem, aprimoramentos. E quem mais pediu ao Senado Federal os aprimoramentos dessa lei foi o Supremo Tribunal Federal, através de vários Ministros.
Indispensável ressaltar que o texto original do projeto de lei – é muito importante esta informação – para alterar a Lei de Abuso de Autoridade surgiu, diferentemente do que a imprensa diz, no II Pacto Republicano de Estado por um Sistema de Justiça Mais Acessível, Ágil e Efetivo, firmado em 2009 entre os Chefes dos Três Poderes da República. Esse projeto, portanto, vem de 2009, em um pacto republicano firmado entre os Três Poderes da República.
Entre as medidas prioritárias desse pacto republicano está, Srs. Senadores, Srªs Senadoras, a revisão da legislação relativa ao abuso de autoridade, a fim de incorporar os atuais preceitos constitucionais de proteção e responsabilização administrativa e penal dos agentes e servidores públicos em eventuais violações aos direitos fundamentais.
O projeto – e nós vamos poder esmiuçá-lo – estabelece tipos penais e, por isso mesmo, atinge o recalcitrante, o infrator, aquele que dolorosamente oprime terceiros de forma indevida às suas atribuições.
Ressalta-se, Srs. Senadores, por oportuno que a lei penal é norma de direito estrito. A lei penal é norma de direito estrito e não comporta interpretações extensivas. Daí a impossibilidade de os julgadores criarem situações não descritas na norma.
De mais a mais, não é crível nem sensato imaginar que o Poder Judiciário desconfie do próprio Poder Judiciário, encarregado de aplicar lei.
O ideal seria, Srs. Senadores, Srªs Senadoras, que a lei envelhecesse com a sociedade.

A experiência, porém, mostra que o Direito, como tudo na vida, rende-se ao inevitável desgaste causado pelo tempo.
Atento a essa realidade, o Senado Federal tem-se dedicado a reformar leis importantes, e fez isso com o Código de Processo Civil, a Lei de Arbitragem, Conciliação, já editadas. No mesmo caminho estão o Código de Processo Penal, o Código Comercial, a Lei de Execução Penal e a Lei de Licitações, que será votada, a nova Lei de Licitações, até o dia 15, quando terminaremos nossos trabalhos.
O debate, portanto, e, mais uma vez, agradeço a presença de todos, é pertinente e atual, permitam-me dizer. Os episódios a que me referi no início dessa breve colocação, para suscitar exatamente o debate, refletem situações que acontecem diariamente e atingem principalmente o cidadão comum, justificando a iniciativa de fortalecer a disciplina legal para reprimir o abuso de autoridade.
Trata-se, Srs. Senadores, de uma chaga incompatível com o regime democrático de proteção às liberdades civis. Nenhum agente do Estado, nenhum – nenhum! –, de nenhum Poder, está autorizado a usar suas atribuições legais para ofender, humilhar, agredir quem quer que seja, quem quer que seja.
Todo poder, Srs. Senadores, Srªs Senadoras, todo poder oprime, seja qual for a origem desse poder, e não há poder sem limites. A diferença é que, na ditadura, limitam-se os direitos em detrimento do cidadão, enquanto, na democracia, as liberdades civis são respeitadas, e os freios dirigem-se exatamente ao poder estatal para proteger o indivíduo.
Em 1986, e me permitam essa citação, falando para uma plateia de formandos em Maceió, capital de Alagoas, nunca esqueci – nunca esqueci! – o Prof. José Joaquim Calmon de Passos, que defendeu que todos aqueles que tivessem obtido a proteção de mandado de segurança e do habeas corpus deveriam representar contra a autoridade responsável pela coação e pelo constrangimento ilegal, como exercício de cidadania.
A Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão, Senador Roberto Requião, de 1789, proclama que toda sociedade em que não estiver assegurada a garantia de direitos, nem determinada a separação dos Poderes, não tem Constituição. Nem Constituição, nem Estado de direito. Foi exatamente a propensão do homem ao abuso de autoridade que levou Montesquieu a idealizar o sistema de freios e contrapesos. Essa inclinação humana encontra limites nos direitos e garantias individuais, geralmente com status de cláusula pétrea, encartados nas Constituições dos países civilizados.

Leis punindo excessos de poder dos agentes de Estado são próprias dos países do chamado mundo civilizado. Podemos citar como exemplos Argentina, Peru, Chile, Cuba, Alemanha, Estados Unidos, Portugal, Espanha, Itália, França.
O tema é seguramente importante, tanto, Senador Lindbergh, que em 1985 mereceu uma resolução da Assembleia Geral das Nações Unidas, a declaração dos direitos das vítimas. No Brasil – e já encerro –, a legislação em vigor foi editada na ditadura militar, nos idos de 1965, época em que vigoravam impunes os métodos violentos do temido delegado Sérgio Fleury e os assustadores porões do Cenimar e do DOI-CODI, para onde eram levadas pessoas arbitrariamente.
É uma lei, como todos sabem, Senador Aloysio, branda, com penas minúsculas, que se destinava a acobertar excessos de toda ordem. Está, portanto, defasada e não se ajusta aos tempos atuais, quando o País respira democracia.
Os direitos fundamentais do indivíduo são as bases, como todos sabem, do regime democrático. Toda sociedade em que estes direitos não estejam efetivamente garantidos estará abandonada à própria sorte, refém de um Estado autoritário.
Todos os dias, em algum ponto deste imenso País, há um cidadão, Senador Aloysio, Senador Jorge Viana, sendo constrangido por algum tipo de abuso de autoridade. É o caso daquele que mora numa comunidade pobre, vem cansado de um dia de trabalho e no caminho de casa é abordado por um policial truculento que lhe aplica, sem mais nem menos, uma cachação. Em seguida pega para si o dinheiro do trabalhador, como acontecia em Diadema, num fato sobejamente conhecido pelo Brasil. Ou a cidadã que abandonou o marido, porque apanhou do marido ou sofreu qualquer tipo de violência sexual, e vai, Senador Jader Barbalho, prestar queixa na delegacia, mas é atendida com preconceito, e ali é humilhada pela autoridade policial.
O instrumento de que dispomos para combater os excessos dos agentes de Estado é uma lei de exceção que, deliberadamente, violava direitos. Por isso, não funciona, e interessa a alguns poucos, infelizmente, que continue a funcionar da forma que está.
A proposta legislativa para aprovar a legislação que hoje infratores está delineada no PLS 280, tipificando o crime de abuso de autoridade dolorosamente praticado por servidores públicos dos três Poderes, tanto nas suas instâncias inferiores como nas mais altas esferas.

Importante assinalar que o texto – já disse aqui e queria repetir – é de 2009 e foi elaborado com muita responsabilidade. É importante que todos atentem para isso: com muita responsabilidade. O texto do projeto foi elaborado com muita responsabilidade por uma insuspeita comissão especial, integrada, entre outros, pelo Ministro Teori Zavascki, pelo Desembargador Rui Stoco e pelo ex-Secretário da Receita Everardo Maciel. Estes redigiram a proposta que está tramitando no Senado Federal.
O propósito da alteração legislativa em debate é apenas e tão somente resguardar direitos dos cidadãos contra o eventual autoritarismo do Estado. Sua finalidade, Srs. Senadores, Srªs Senadoras, portanto, é punir o abuso exatamente para resguardar a autoridade. Inspirado na Constituição Federal, o projeto pune, como todos sabem, a prisão ilegal determinada; a colocação de presos de ambos os sexos na mesma cela, ou crianças e adolescente junto com maiores de idade; a realização de interceptações telefônicas ou escutas ambientes sem autorização judicial; a prática de violência moral ou física contra a pessoa.
De tal modo, os abusos de autoridade puníveis são aqueles que, por exemplo, ofendem a liberdade individual, a inviolabilidade do domicílio e da correspondência, os direitos de locomoção e a incolumidade física do indivíduo. Tais direitos devem ou não merecer proteção efetiva? Essa é a primeira pergunta que deixo para a sessão temática responder.
O inexcedível Pontes de Miranda, sempre ele… Eu ouso citar Pontes de Miranda, porque este Senado – eu me lembro –, por desejo da maioria, festejou aqui os cem anos de Pontes de Miranda. Pontes de Miranda é inexcedível, é considerado como o maior jurista de todos os tempos do Brasil. É considerado como o maior jurista de todos os tempos no Brasil. O inexcedível Pontes de Miranda, indagado, em plena ditadura militar, sobre as pessoas inocentes, presas sem julgamento por vários anos, respondeu:
Quem foi preso, não tendo sido feito julgamento em tempo e depois absolvido, a primeira coisa que deve fazer é procurar saber quem foram os responsáveis por isto e prendê-los. [E prendê-los!] Hoje, a gente vê cada coisa, mas espero que isto não aconteça.
Sobre o significado de Estado de direito, o ilustre jurista alagoano pregava que:
O Estado de direito é um Estado em que não há nada de arbítrio e onde tudo se rege por regras jurídicas, feitas de acordo com a Constituição e a democracia. Sem democracia [dizia Pontes de Miranda] e liberdade, não há Estado de direito.

Este momento é, portanto, no Senado Federal, o momento de juntar pedras, num esforço conjunto de cultivar a paz tendo como foco a tolerância com as opiniões divergentes o respeito ao próximo e, fundamentalmente, a proteção dos direitos e das liberdades individuais.
Eu, de logo, nesta rápida introdução, agradeço o comparecimento de todos e a atenção que dispensaram a essas breves palavras, reiterando o meu compromisso, como Presidente do Senado Federal, com a Constituição Federal, com a harmonia e a independência dos poderes.
Eu tenho a honra e a satisfação de registrar a presença de outras autoridades que nos honram nesta sessão temática: do Procurador Regional da República e Presidente da Associação Nacional dos Procuradores da República, Sr. José Robalinho Cavalcanti, do Presidente do Conselho Nacional de Procuradores-Gerais do Ministério Público, Sr. Rinaldo Reis Lima, do Procurador-Geral de Justiça do Ministério Público do Estado do Paraná, Sr. Ivonei Sfoggia, do Presidente da Associação Nacional dos Defensores Públicos Federais, Srª Michelle Leite, do Procurador Nacional de Defesa das Prerrogativas, muito boa, oportuna a sua presença aqui nesse debate, Sr Charles Dias, do vice-Presidente da Ordem dos Advogados do Brasil do Estado da Paraíba, Sr. Raoni Lacerda Vita, da Conselheira Federal da Ordem dos Advogados do Brasil, Srª Carolina Louzada Petrarca e dos Defensores Daniele Osório, Dinarte da Páscoa Freitas, Felipe Augusto, Francisco Macedo, Luiz Carlos Martins, dentre outros.
O SR. ROMERO JUCÁ (PMDB – RR) – Sr. Presidente, queria prestar uma rápida informação, que eu considero importante.
Há poucos dias, eu fui designado Líder do Governo no Congresso. E antes tinha sido designado relator dessa matéria. Entendi que não caberia, exercendo o papel de líder do governo, relatar uma matéria como essa que em tese não diz muito respeito ao Governo; ao contrário, o Governo pode ser um dos entes que abusam da autoridade, portanto essa matéria diz respeito diretamente ao Congresso Nacional.
Entendi então de entregar a relatoria e vejo essa relatoria nas excelentes mãos do Senador Roberto Requião.
Então quero registrar aqui que participarei ativamente do debate, mas não exercendo o papel de Líder do Governo, mas sim exercendo o papel de Senador da República no terceiro mandato.
Queria fazer esse registro. Obrigado.
O SR. PRESIDENTE (Renan Calheiros. PMDB – AL) – Eu queria, antes de conceder a palavra à primeira convidada, de comunicar aos Senadores e Senadoras que está convocada sessão extraordinária, a realizar-se após o encerramento desta sessão temática.
Mais uma vez comunico que teremos uma nova sessão temática no dia primeiro de dezembro, com as presenças confirmadas do Exmº Sr. Juiz Sérgio Moro e do Exmº Sr. Ministro do Supremo Tribunal Federal.
E comunico também aos Senadores que, amanhã, às 11h30, nós receberemos no gabinete da Presidência do Senado Federal a honrosa presença do Ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, que não teve como participar ontem da sessão temática e pediu que nós administrássemos a possibilidade de uma conversa dele com os Líderes e com os Senadores.
Portanto, todos estão convidados.
A Presidência informa que cada convidado usará da palavra por até 20 minutos, mas, se precisar seja de qual tempo for, para concluir seu pensamento, nós asseguraremos a palavra.
Logo em seguida, nós inscreveremos os Senadores, que falarão por até dez minutos, podendo fazer perguntas a qualquer um dos convidados. E nós teremos para este debate – que é importante e insubstituível – o tempo que for necessário, para amadurecermos a discussão, de modo a preparar a apreciação da matéria para o dia 6.
Senador Aécio Neves
O SR. AÉCIO NEVES (Bloco Social Democrata/PSDB – MG. Pela ordem. Sem revisão do orador.) – Sr. Presidente, é apenas para registrar a importância desse encontro primeiro, dentre outros que ocorrerão, para discutir uma matéria dessa relevância. É apenas um questionamento formal.
Nós temos ainda a Ordem do Dia prevista para a votação, em segundo turno, da Reforma Política, da PEC nº 36. Eu consulto, até para que haja a convocação dos Srs. Senadores, a que horas V. Exª pretende iniciar a Ordem do Dia.
O SR. PRESIDENTE (Renan Calheiros. PMDB – AL) – Tão logo encerremos esta sessão temática, haverá… (Fora do microfone.)
…uma sessão extraordinária…
O SR. AÉCIO NEVES (Bloco Social Democrata/PSDB – MG) – Imediatamente após a conclusão desta matéria.
O SR. PRESIDENTE (Renan Calheiros. PMDB – AL) – …para votarmos em segundo turno a Reforma Política e para apreciarmos outros itens da pauta…
O SR. AÉCIO NEVES (Bloco Social Democrata/PSDB – MG) – Perfeito.
O SR. PRESIDENTE (Renan Calheiros. PMDB – AL) – … principalmente a nova versão da Lei de Repatriação.
O SR. AÉCIO NEVES (Bloco Social Democrata/PSDB – MG) – Perfeito.
Agradeço a V. Exª.
O SR. LASIER MARTINS (Bloco Parlamentar da Resistência Democrática/PDT – RS. Sem revisão do orador.) – Presidente, só para saber se já não há inscrições feitas, porque, ao que consta, já há algumas inscrições e eu estaria entre os inscritos.
O SR. PRESIDENTE (Renan Calheiros. PMDB – AL) – V. Exª já está, Senador Lasier, devidamente inscrito.
O SR. RANDOLFE RODRIGUES (Bloco Socialismo e Democracia/REDE – AP. Sem revisão do orador.) – Presidente, com a sua autorização, solicito a inscrição também.
O SR. PRESIDENTE (Renan Calheiros. PMDB – AL) – V. Exª também, Senador Randolfe.
O SR. RANDOLFE RODRIGUES (Bloco Socialismo e Democracia/REDE – AP) – Eu lhe agradeço.
O SR. PRESIDENTE (Renan Calheiros. PMDB – AL) – Eu tenho a satisfação de conceder a palavra à Exma Srª Luiza Cristina Fonseca Frischeisen, Subprocuradora-Geral da República.
Com a palavra, V. Exª.

Compartilhe este artigo

Artigos relacionados

Senador entrega retroescavadeiras para municípios alagoanos

Tive a alegria de entregar nesta segunda-feira (19), duas...

O inacreditável acontece

Quando ficou evidente que políticos (de todos os partidos...

O eixo do carro de boi

Ainda sobre a eleição. Aconteceu outro fato inusitado que...

O Quinto Mandamento

Insistem em pedir que eu escancare minhas convergências com...

Assine o Boletim Eletrônico

Assinando, você receberá em seu e-mail notícias e artigos atualizados do site.

A página eletrônica do Senador Renan Calheiros é um espaço para divulgar ideias, posicionamentos e opiniões do parlamentar alagoano. O endereço eletrônico www.renancalheiros.com.br é atualizado pela assessoria de imprensa e agrega artigos, discursos, notícias, projetos, além de dados biográficos da carreira política do senador.

Contato

Senador Renan Calheiros
E-mail: [email protected]
Senado Federal - Praça dos Três Poderes - Anexo I Ed. Principal 15º andar
BrasíliaDF - CEP 70.165-920
(61) 3303-2261 / (61) 3303-2263