MISSÃO CUMPRIDA

O recente protagonismo do Congresso Nacional foi visto em raros momentos da Nação. É um processo que vem evoluindo há algum tempo com o resgate das prerrogativas dos parlamentares e a independência entre poderes.

Quebramos o monopólio da União e avançamos no Orçamento Impositivo. Em relação as Medidas Provisórias inovamos a fixar um prazo mínimo para a chegada das mesmas. No supremo provamos não ser admissível o controle preventivo da constitucionalidade. Também devolvemos aos parlamentares a palavra final sobre o processo legislativo, com a apreciação periódica de vetos presidenciais.

No último semestre avançamos na discussão do Pacto Federativo. Além de realizarmos duas reuniões históricas – com todos os governadores e os prefeitos do País – aprovamos projetos relevantes e iremos seguir votando uma extensa agenda a fim de atenuar o atual centralismo fiscal.

Procuramos no Congresso ajudar, contribuir e aperfeiçoar medidas para recolocar a Nação no rumo do crescimento e da distribuição de riquezas e, quando necessário, frear a sanha arrecadadora como o fizemos na devolução de uma medida provisória juridicamente equivocada.

Neste semestre apreciamos 236 matérias, entre emendas constitucionais e mais de 100 projetos de Lei. Mais do que quantidade é importante ressaltar a qualidade dos temas. É oportuno também ressaltar os debates nas 115 sessões plenárias realizadas no Senado Federal e outras 14 do Congresso Nacional.

Além do ajuste fiscal, podemos destacar o projeto que agravou as penas para crimes praticados contra agentes de segurança pública, a novíssima lei que criou a mediação com solução para conflitos, a ampliação da arbitragem, a regulamentação dos direitos dos empregados e empregadas domésticas, a esperada Lei da Biodiversidade, a ampliação da idade para aposentadoria no serviço público e no Supremo Tribunal Federal.

Também aprovamos as novas regras para fusão de partidos, o orçamento impositivo, a reforma do Código de Processo Civil, o feminicídio, a correção da tabela do Imposto de Renda, a Lei Brasileira da inclusão da pessoa com deficiência, a convalidação dos incentivos fiscais, a mudança do indexador das dívidas estaduais, a promulgação do compartilhamento da receita do comércio eletrônico, o acesso aos depósitos judiciais e administrativos, entre tantas outras propostas relevantes.

Muitas destas políticas públicas nasceram no Legislativo desfazendo a impressão de que o Congresso não consegue autonomamente propor e votar políticas para o País. No âmbito administrativo as ações de transparência e austeridade seguem normalmente. A nova cultura, felizmente, já está incorporada no nosso cotidiano e iremos encerrar o ano de 2015 gastando menos do que 2014.

Compartilhe este artigo

Artigos relacionados

O inacreditável acontece

Quando ficou evidente que políticos (de todos os partidos...

O eixo do carro de boi

Ainda sobre a eleição. Aconteceu outro fato inusitado que...

O Quinto Mandamento

Insistem em pedir que eu escancare minhas convergências com...

Bastidores da eleição

Continuo em Brasília. Só sexta-feira 21 estarei em Alagoas...

Assine o Boletim Eletrônico

Assinando, você receberá em seu e-mail notícias e artigos atualizados do site.

A página eletrônica do Senador Renan Calheiros é um espaço para divulgar ideias, posicionamentos e opiniões do parlamentar alagoano. O endereço eletrônico www.renancalheiros.com.br é atualizado pela assessoria de imprensa e agrega artigos, discursos, notícias, projetos, além de dados biográficos da carreira política do senador.

Contato

Senador Renan Calheiros
E-mail: [email protected]
Senado Federal - Praça dos Três Poderes - Anexo I Ed. Principal 15º andar
BrasíliaDF - CEP 70.165-920
(61) 3303-2261 / (61) 3303-2263