ASSEPSIA INADIÁVEL

Mesmo diante de uma crise econômica e política persistente, o Senado Federal se mobilizou e conseguiu reunir uma expressiva maioria para dar prosseguimento na Reforma Política, uma das mais justas e antigas demandas da sociedade.

O Senado aprovou uma reviravolta no atual modelo e que, certamente, contribuirá para eliminar a eterna nuvem cinzenta que encobre a atividade política. Ficarão proibidas as doações de empresas para financiamento de campanhas políticas. Os senadores aprovaram uma subemenda do relator, Romero Jucá (PMDB-RR), vedando completamente as doações empresariais.

Foi aprovada ainda uma outra sugestão do relator, permitindo apenas as doações de pessoas físicas até o limite dos ganhos tributáveis do ano anterior. O projeto aprovado na Câmara dos Deputados previa a doação de empresas exclusivamente a partidos, até o teto de R$ 20 milhões por firma.

Com as mudanças ocorridas no Senado Federal, o texto retorna à Câmara dos Deputados para nova votação. Sem nenhuma dúvida foi um grande passo para evitar a permanente suspeita em torno dos mandatos e eliminar, de uma vez por todas, a promiscuidade entre o público e o privado. No passado, os gastos de campanha chegaram a R$ 5 bilhões.

O texto do Senado também aprovou a impressão do voto para conferência do eleitor e acabou com a exigência de domicílio eleitoral para os candidatos. Pelo texto, o candidato não precisa mais morar no estado onde quer registrar sua candidatura. Basta que seja filiado ao partido.

O prazo de propaganda eleitoral gratuita no rádio e TV foi alterado. Ele foi reduzido de 45 para 35 dias antes do primeiro turno da eleição. O propósito também foi o de baratear o custo da campanha, que tem como principal item de custo a produção dos programas de rádio e TV, com locação de estúdios e grandes equipes de jornalistas, produtores e marqueteiros.

Também foi proibido nas campanhas o uso de carros de som, trios elétricos e bicicletas com megafone. Outra mudança relevante estabelece cláusulas de barreira para impedir o acesso dos chamados partidos nanicos aos recursos do fundo partidário e aos programas no rádio e TV, além de restringir a participação de candidatos desses partidos nos debates na televisão.

Mais uma vez o Congresso Nacional demonstra que mantém uma sintonia fina com a vontade da sociedade e dá consequência a uma agenda que se arrastava há anos no Parlamento, quando foi feita a primeira proposta de Reforma Política. Esperamos agora a sanção presidencial.

Compartilhe este artigo

Artigos relacionados

O inacreditável acontece

Quando ficou evidente que políticos (de todos os partidos...

O eixo do carro de boi

Ainda sobre a eleição. Aconteceu outro fato inusitado que...

O Quinto Mandamento

Insistem em pedir que eu escancare minhas convergências com...

Bastidores da eleição

Continuo em Brasília. Só sexta-feira 21 estarei em Alagoas...

Assine o Boletim Eletrônico

Assinando, você receberá em seu e-mail notícias e artigos atualizados do site.

A página eletrônica do Senador Renan Calheiros é um espaço para divulgar ideias, posicionamentos e opiniões do parlamentar alagoano. O endereço eletrônico www.renancalheiros.com.br é atualizado pela assessoria de imprensa e agrega artigos, discursos, notícias, projetos, além de dados biográficos da carreira política do senador.

Contato

Senador Renan Calheiros
E-mail: [email protected]
Senado Federal - Praça dos Três Poderes - Anexo I Ed. Principal 15º andar
BrasíliaDF - CEP 70.165-920
(61) 3303-2261 / (61) 3303-2263