A DEMOCRACIA É BARATA

 
      Encerrado o período que envolve um debate muito acalorado em torno da última eleição municipal, onde todos encontram argumentos para se proclamarem vitoriosos, algumas conclusões são incontestáveis e relevantes para o Brasil e sua jovem democracia. A primeira, e mais importante, é que o Brasil, outra vez, deu exemplos ao mundo sobre agilidade e confiabilidade do processo eleitoral. 
A presidente do Tribunal Superior Eleitoral, ministra Cármen Lúcia Antunes Rocha, anunciou também outra virtude. A eleição municipal deste ano teve o menor custo por voto desde 1996, quando começou a funcionar no País o sistema eletrônico de votação. Conforme os dados consolidados pelo TSE, a eleição municipal de 2012 custou R$ 395.270.694,00 para os cofres públicos – o que equivale a R$ 2,81 por eleitor. 
Esse valor é 27% inferior ao ano de 2010, quando o custo chegou a R$ 3,86 por voto. No ano 2000, o custo do voto tinha sido de R$ 4,45 e em 2002 de R$ 4,82. Os valores são atualizados pelo índice da inflação. A queda nos custos é atribuída a fatores como melhorias no planejamento e diminuição dos gastos com o envio de forças federais para reforçar a segurança em municípios.
O tribunal autorizou o envio de tropas para garantir a segurança, no primeiro turno a um total de 401 cidades em todo o País. No segundo turno, apenas para dois municípios. O rigor dos TREs neste quesito proporcionou um enxugamento de custos e, com isso, os gastos com o envio de forças federais diminuiu quase pela metade.
De acordo com os números do TSE, R$ 24,2 milhões foram empenhados nessas missões de fiscalização e segurança. Isso representou uma economia de 42% em relação aos gastos feitos em 2008 e de 38% em comparação com os números de 2010.
Um dado preocupante no último pleito foi o percentual da abstenção. É preciso analisar os dados com muita cautela e identificar concretamente os fatores que levaram às altas taxas de abstenção nas urnas. No primeiro turno, o índice de presença foi de 84,59% dos eleitores. Na segunda votação, a proporção baixou para 80,88%. Ou seja, quase 20% dos eleitores, um em cada cinco, deixou de ir votar no dia 28 de outubro.
A coincidência da eleição com o feriado do dia do servidor, a entrada em vigor do horário de verão e a falta de atualização de cadastros em determinadas localidades podem ter contribuído para estes números.  Por esse motivo, o TSE já está  fazendo um levantamento sobre os locais onde será necessário fazer revisões eleitorais e atualizar os cadastros. Mesmo assim, a eleição evidencia que a Democracia não tem preço e, mesmo quando calculado o custo, ela é muito barata.
Compartilhe este artigo

Artigos relacionados

Por que a Copa América no Brasil é um mau exemplo

Esta reflexão, sugerida pela equipe técnica da CPI da Covid-19 no Senado...

Renan critica negacionistas sobre pandemia

O senador Renan Calheiros (MDB-AL), relator da CPI da...

A segunda cepa do negacionismo

Diante de tudo o que os fatos comprovam, rota...

Assine o Boletim Eletrônico

Assinando, você receberá em seu e-mail notícias e artigos atualizados do site.

A página eletrônica do Senador Renan Calheiros é um espaço para divulgar ideias, posicionamentos e opiniões do parlamentar alagoano. O endereço eletrônico www.renancalheiros.com.br é atualizado pela assessoria de imprensa e agrega artigos, discursos, notícias, projetos, além de dados biográficos da carreira política do senador.

Contato

Senador Renan Calheiros
E-mail: [email protected]
Senado Federal - Praça dos Três Poderes - Anexo I Ed. Principal 15º andar
BrasíliaDF - CEP 70.165-920
(61) 3303-2261 / (61) 3303-2263